De bem com a Vida

Thoughts, stories and ideas.

Um mês no início dessa nova fase e o que eu aprendi com isso até agora.

Oi oi people!

Então, há um mês eu saí do conforto da minha casa e embarquei nessa jornada louca que é a viver a vida em outro país, longe da família e dos amigos.

Se engana muito quem acha que morar fora do Brasil é oitava maravilha do mundo. PARE COM ESSE PENSAMENTO! Não é verdade. Todos os países tem problemas. A gente sempre vai encontrar algo que não funciona de acordo com o que a gente quer/pensa.

E isso não é conversa só porque eu não estou no Brasil em um momento tão difícil da nossa história. Eu morei 27 anos da minha vida no Brasil, eu sei como as coisas funcionam. Já morei fora do país e ja viajei também. E eu posso dizer: não é só festa, só maravilha por aqui não.

Claro, não vou ser hipócrita a ponto de dizer que as facilidades, cultura e educação do povo não influenciam. Eu tenho me surpreendido muito positivamente por aqui. As pessoas realmente são gentis, queridas e preocupadas. E isso é algo que eu aprecio muito. Mas as coisas funcionam de uma maneira completamente diferente por aqui. Aqui também tem rotina, tem contas pra pagar, trabalho pra procurar e planos pra traçar. É difícil também.

Aqui também tem gente porca, tem gente corrupta, gente que sacaneia. Tem tudo isso também. E viver a vida longe de "casa" não é tão fácil quanto parece. Dói.

A segurança e a qualidade de vida que temos aqui tem um preço a ser pago. E ele é alto minha gente. A vida das pessoas no Brasil segue e é difícil se desvencilhar da vida que se levava antes. Em razão do fuso horário, ninguém te responde na hora. Muitas vezes nem lembram de te responder (e isso não é uma reclamação, é um fato de como as coisas funcionam, mais uma vez: a vida de todo mundo segue). A rotina corrida de todo mundo, aqui e lá, dificulta a comunicação.

Mas essa é a vida, a gente amadurece na marra. Aprende a na marra. Entende na marra. A vida longe do que a gente tá acostumado não é fácil. A zona de conforto é muito gostosa se bem aproveitada. MAS, não existe nada melhor que sair dela e se desafiar. Desafiar o mundo, ganhar o mundo. E isso, ninguém nos tira. E essa vontade de viver e absorver outras culturas, a gente nasce com isso ou não.

Essa experiência tem sido muito legal até o momento. Inventando coisas novas, criando novos planos pra uma vida "nova", um novo trabalho, uma nova meta, uma nova rotina, diferente de tudo que eu tinha no Brasil. Uma nova carreira. <3

Mas atenção: os problemas não ficam no Brasil. Eles te perseguem e tu tem que resolver da tua maneira. Eu faço terapia há uns anos e é isso que me ajuda a segurar as pontas por aqui.

Nesse mês eu aprendi que a saudade dói de uma maneira muito diferente do que costumava doer. Ela dói de uma maneira estranha. Ela dói, mas não te rasga. Ainda. Ela vale a pena por toda a experiência e expectativa de uma vida plena. Pelo menos por enquanto.

O que eu quis dizer com tudo isso? A saudade dói. Dos amigos, da família, das pessoas importantes da nossa vida. Eu aprendi que não existe lugar perfeito pra viver. A vida aqui também não é fácil, tem muitos obstáculos e problemas a serem enfrentados. Mas por enquanto é o que temos para o momento.

Eu aprendi que viver de uma maneira plena as maiores experiência da vida, tem um preço muito alto a ser pago. A saudade. Só porque ela dói diferente, não quer dizer que no fundo do coração ela não nos entristeça. E não tem problema nenhum nisso.

Sejamos felizes <3