/ mãe de menina

Como ensinar a minha filha a ser uma boa cidadã do mundo - Projeto Mães no Canadá: Março 2020



‌Desde que falei pela primeira vez em ter filhos, eu sempre sonhei em ter uma menina. A Beatrice é o meu sonho realizado. Eu sempre a vi na minha cabeça assim: serelepe, loirinha igual ao pai e de olhos verdes, usando duas maria-chiquinhas. Aquela imagem que eu via na minha cabeça, nos meus sonhos, se concretizou. Desde o dia que eu soube que ela seria uma menina eu sempre penso: "Agora vai começar o desafio de colocar mais uma MULHER no mundo".

Ser mãe já é uma tarefa absurdamente difícil e desafiadora. Ser mãe de menina então - desafio dobrado. Como eu ensino minha filha todas as questões ligadas à igualdade? Como eu me policio para não deixar o peso das minhas escolhas como mulher feminista recair sobre a infância dela? Como eu explico para ela que a sociedade não vai aceitar determinado comportamento pelo simples fato de que ela é menina? Que tarefa difícil.

Na festa de aniversário de 2 anos da Beatrice, nós escolhemos como tema a Frida Kahlo. Eu lembro bem dos olhares de várias pessoas ao entrarem na festa. "Porque escolheram essa mulher de sobrancelha grossa e de bigode?". Muitas pessoas não faziam o peso daquela escolha pra mim. (veja o post da festa aqui)

A primeira barbie que a Beatrice ganhou foi uma Frida Kahlo.

Muita gente me perguntou: "Porque?". Porque nós precisamos criar crianças fortes e seguras de si. E Frida foi um grande exemplo disso. E nessa força tá incluso o se sentir fraco de vez em quando. Mas tá incluso principalmente o poder de conseguir se levantar. Eu sei que é "errando" que se "aprende", mas a gente pode tentar ensinar e ajudar a levantar.

Eu crio a minha filha para que ela saiba o que é a diversidade. De cor, de gênero, de opiniões. Eu crio a Beatrice para que ela saiba o que é o AMOR acima de tudo. Para que ela saiba que o racismo existe e que ela como indivíduo precisa fazer a sua parte e combater isso. Eu tento todos os dias desconstruir conceitos retrógrados que nos são impostos ao longo da vida - menina não fala palavrão, menina não senta de perna aberta, menina não pode namorar ou sentir prazer, menina nasceu para as tarefas domésticas.

Eu e o Fernando temos esse senso de desconstrução bem grande quando conversamos sobre esse assunto: como a gente ensina a Beatrice a ser uma boa cidadã do mundo? A Beatrice é uma criança de quase 3 anos, ela já entende muitas coisas quando explicadas de maneira bem lúdica. Então nós também nos esforçamos bastante para ensiná-la aquilo que acreditamos ser importante.

Desconstruindo o Machismo

Todos os dias eu repito para a Beatrice: "Tu pode ser o que tu quiser que a mamãe e o papai estão aqui para te apoiar". Em um dia ela resolve que quer construir prédios de lego. No outro ela só quer "cooking food". No mesmo dia ela quer brincar de carrinho e ser o spider man. No dia seguinte ela já quer dar mama para as bonecas e educar todos os ursinhos dela. No meio disso tudo ela quer ver a Peppa Pig e o Paw Patrol.

Não existe brinquedo de menina ou menino. Não existe cor de menina e cor de menino. A Beatrice tem o exemplo todos os dias do pai dela em casa FAZENDO todas as tarefas domésticas, dividindo igualmente todas as tarefas dentro de casa comigo.

A gente tá tentando mostrar que ela não é obrigada a nada por ser menina. Ensinando ela a desconstruir esses conceitos ao longo da sua vida adulta também. Esperamos que ela aprenda que lugar de mulher é onde ela quiser. Ela quer ser "stay at home mom"? Que seja uma escolha consciente e com propósito. Ela não vai querer casar e ter filhos? Que seja uma escolha consciente. Quer ser bombeira, médica, professora, bailarina? Que seja uma escolha consciente.

Respeitando à diversidade - seja ela qual for

O mundo é feito de todo o tipo de gente. E nem sempre a gente pensa de acordo com todas as outras pessoas. Nem sempre temos a mesma orientação sexual que nos é imposta desde o nascimento. Nem sempre as pessoas se identificam com o gênero que nascem. Nós somos de cores diferentes, de religiões diferentes. E eu e meu marido queremos mostrar tudo isso para Beatrice, e que está tudo bem sermos diferentes. Todo mundo tem o direito a amar, de ter uma família e ser respeitado. TODO MUNDO.

Esses dias a Beatrice estava brincando com duas bonecas e um bebê. Eu perguntei onde tava o papai e ela me respondeu super indignada "Não tem papai, só tem mamães". Eu comecei a conversar e perguntar o porque daquela família ser daquele jeito. E ela respondeu "Bibia tem papai, o nenê só tem mamães e vovó". Aquilo me desconsertou. Eu não estava preparada para perguntar ou explicar aquilo naquele momento. Mas foi ali que surgiu. Eu mais do que prontamente repliquei "verdade filha, tem vários tipos de família, com vovós, só mamães e só papais". Ela me disse que a Emma, coleguinha dela tem duas mamães.

E deu. Só isso, sem nada mais. Na semana seguinte, descobri que eles estavam estudando os tipos de família na escola. Eu fiquei tão feliz com isso! Eles aprendem de uma maneira lúdica que todos os tipos de família são importantes.

Beatrice já identifica que existem pessoas de cores diferentes e nunca se impressionou com isso. Quando a gente conversa sobre as cores dos bichinhos ela fala todas. Aí ela fala que a "bibia é rosa e o sammy (coleguinha da escola) é verde". Ela não entende a diferenciação entre cores de pele, propriamente dita, ela é branca e o amiguinho é negro - na cabeça dela os dois tem cores lindas e diferentes. Porque é isso que a gente ensina pra ela: todo mundo tem a sua própria cor, suas características e somos todos muito lindos. Se a gente conseguir seguir nesse caminho lúdico por mais tempo, estamos felizes.

Eu sou judia e Fernando é ateu. Muita gente me pergunta: qual religião a Beatrice vai seguir. Eu nunca perguntei para ela, até porque ela não entende essa diferenciação ainda. Mas eu pretendo ensinar um pouco sobre tudo, explicar as coisas que eu acredito e o Fernando da mesma forma. Quando ela for madura o suficiente para entender e fazer a escolha por ela mesmo, ela a fará. Ou não... e tá tudo ok com isso também.

Todos nós somos pessoas diferentes. E cada um de nós é lindo a sua própria maneira, é isso que eu to tentando ensinar pra ela.

Ensinando os sentimentos e aprendendo a validá-los

Beatrice é uma criança extremamente dramática. Ela tem muito chiliques de raiva e ira. Ela se frustra bastante com muita atividades, ela se entedia com facilidade. Ela fica triste com alguns desenhos, ou quando dizemos não. Nós tentamos ao máximo acolher os sentimentos dela e validá-los.

"Mamãe sabe que tu tá triste, mas tu precisa aprender que agora é hora de guardar os brinquedos pra ir tomar banho"
"Eu sei que tu te sente brava quando não consegue pintar. Mas a mamãe tá aqui pra te apoiar porque eu sei que tu vai aprender e conseguir. Vamos nos concentrar e tentar de novo?"

Eu leio muito sobre disciplina positiva. Nem sempre eu consigo, nem sempre eu tenho paciência, mas eu dou o meu máximo pra ajudá-la a enfrentar tudo. Eu mostro pra ela que eu sei o que ela sente, dou nome aos sentimentos dela e tentamos juntas encontrar uma solução.

Um filme que tem me ajudado bastante a explicar para ela como as coisas funcionam é o "Inside Out" - "Divertidamente" em português. Ela realmente se prende no vídeo e nós sempre conversamos durante o filme sobre o que ela quer falar, tentando explicar os sentimentos.

Aprendendo o senso de comunidade

Eu acredito que o senso de comunidade é mais bem "aplicado" na vida da criança quando ela tem oportunidade de aprender com a própria sociedade em que ela vive. Nós moramos no Canadá e isso pra mim é um grande diferencial. Aqui a gente consegue ensinar o senso de comunidade, ele é ensinado nas escolas e a maioria das pessoas o pratica.

Eu tento ensinar para Beatrice que nós vivemos em uma sociedade, ou seja, não estamos sozinhos nesse mundo. E para que as coisas deem certo, ela precisará - ao longo da vida - lembrar disso. Que nós precisamos uns dos outros para viver bem.

Separar o nosso próprio lixo, cuidar das coisas que são de bem comum da comunidade, juntar o cocô do cachorro, lembrar as pessoas que estão fazendo algo errado que aquilo não é legal. Preservar ao máximo o lugar onde vivemos, ter bom senso ao fazer barulho, lembrar que - no nosso caso específico - vivemos em um condomínio e precisamos respeitar as pessoas, as vagas de visitantes do lugar. Andar na calçada, atravessar na faixa de segurança. Aqui bom senso, respeito e senso de comunidade se confundem bastante.

Mas é basicamente isso - lembrar que não vivemos sozinhos e precisamos aprender a viver, conviver e respeitar a nossa comunidade.

Acredito que o momento que estamos vivendo hoje no mundo  - COVID-19 - é bem propício para ensinar isso para as nossas crianças: porque não sair de casa? Para proteger a nossa família e a família dos outros. Porque não estocar comida em casa? Porque você precisa lembrar que outras pessoas ficarão sem se você comprar todas as prateleiras. Porque não espalhar descrença ou pânico? Porque outras pessoas não se sentem como você e nós precisamos respeitar.

O amor como forma de cura e não de ódio

Eu e o Fernando temos essa máxima aqui em casa: o amor é sempre a solução. O carinho, apoio, acolhimento e o diálogo, em qualquer circunstância é sempre o caminho a ser seguido. Nós queremos mostrar pra Beatrice que o AMOR é a cura para tudo. É disso que o mundo precisa.

Nós queremos criar a Beatrice para o mundo. Para enfrentar as diversidades que a vida com certeza vai lhe impor, saber cair pra poder levantar mais forte. E que também tá tudo bem se ela quiser ficar caída por mais tempo, mas que ela sempre lembre que existe força em vários lugares.

Se um dia ela ler esse post, eu gostaria que ela soubesse que nós estamos - e continuaremos - fazendo tudo que estiver ao nosso alcance para mostrar pra ela que nós não estamos sozinhos nesse mundo, que ela precisa olhar tudo com cautela, cuidado e carinho. Que respeitar as pessoas e outras escolhas, é essencial para o nosso aprendizado e para o nosso crescimento e evolução como ser humano. Que ela saiba acolher ao invés de julgar, que ela saiba o seu lugar de fala e que dê voz aos que mais precisam. Que ela saiba reconhecer seus privilégios sem abusar deles. Que ela aprenda o que é arrogância e fique bem longe dela. Que ela seja uma boa cidadã do mundo e faça tudo ao seu alcance para minimizar as injustiças. Que ela seja quem ela quiser ser. ‌

______________________________________________________

O projeto Mães no Canadá teve início em 2018 e acontece todo o dia 20 de cada mês. Somos várias mães brasileiras falando sobre maternidade e a nossa visão sobre ela em diferentes cidades do Canadá.

Se você ainda não viu os outros posts do projeto, você consegue encontrar todos aqui. Tem muito conteúdo legal, divertido e informativo.

Vocês ainda podem acompanhar outras abordagens feitas por outras mães que fazem parte desse projeto junto comigo:

Gaby (Toronto, ON) - Gaby no Canadá

Carol (Vancouver, BC) - Fala Maluca

Beatriz (Vancouver, BC) - Biba Cria

Livi (Toronto, ON) - Baianos no Pólo Norte

Alessandra Schneider (Bathurst, NB) - Canadiando

Amanda (Richmond, BC) - Viva Canada

Dani (Toronto, ON) - Vidal Norte ‌‌
‌‌‌‌
‌‌Nayara (East Gwillimbury, ON) - My Family no Canada

Cassandra (Burnaby, BC) - Canada Br

Musa Magalhães (Toronto, ON) - MamãeMusa

________________

Não deixem de curtir a página do blog no Facebook e no Instagram.

Lá vocês podem encontrar muitas dicas sobre a cidade de Calgary, lifestyle e maternidade. E claro, através dos Stories do Instagram acompanhar o meu dia a dia na cidade, com muita informação útil, curiosidades e autenticidade.

Se você gostou desse post, não deixe de compartilhar com os amigos e a família, nas redes sociais.

Até o próximo!

Como ensinar a minha filha a ser uma boa cidadã do mundo - Projeto Mães no Canadá: Março 2020